21/05/2017

Palavras que podiam ser minhas...

Tirado daqui




"O meu maior desafio desde que o Santiago nasceu foi saber criar um “filtro” que me permite seguir alguns conselhos e afastar outros. Isto porque quando nasce um bebé, nasce também uma quantidade infinita de “sabe-tudos” que são mestres da pedagogia e que nos tentam impor a sua forma de viver. Fico espantada com o à vontade com que as pessoas se metem na educação, na alimentação, na vida diária e no método com que criamos os nossos filhos…que são nossos e que nós conhecemos melhor que ninguém, esta é a verdade. Na primeira consulta de pediatria do Santiago cheguei com mil e uma questões e todas eles começavam com “é verdade que…” ou “eu ouvi dizer que”. Depois de ter feito 50 mil perguntas a Dra. Joana Appleton Figueira olhou-me nos olhos e disse-me uma coisa que nunca mais vou esquecer : “Carolina, este é o SEU filho. O seu instinto vai-lhe dizer o que deve fazer muitas das vezes, confie nele.” E a verdade é que essa maxima me ajudou, e muito, daí para a frente. Apesar de existirem muitas coisas comuns a todos os bebés, cada bebé é único,singular e irrepetível e cabe-nos a nós conhecê-lo ao nosso ritmo e decifrar os seus sinais. Desde o início que sofri com muita gente a dizer “Não podes pegar no bebé a cada vez que ele chora”, “Olha que os bebés são manhosos, se começas a fazer isso ele faz o que quer de ti” ou então “Não podes habituá-lo ao colo, dás-lhe demasiado colo”. Não acredito que exista “demasiado colo” quando falamos de um recém nascido nem acredito que devemos “deixá-lo chorar”. Um bebé recém-nascido não chora por birra ou manha, chora porque é a única forma que tem de comunicar, e aos poucos, vamos entendo o que quer dizer. Os bebés precisam da mãe, do aconchego,do cheiro,da calma, precisam de nós porque vieram de dentro de nós e somos tudo aquilo que eles conhecem e reconhecem num mundo que lhes é totalmente novo! Por isso sim, peguei e pego muito ao colo, adormeço o meu filho e vou socorrê-lo quando chora apesar de todas as vozes que dizem que “isto é só mimo.” e que o meu filho “é tão agarrado à mãe” como se isso fosse uma coisa má.

A fase do pós-parto já e tão desafiante por si só que eu não entendo como é que ainda existe esta necessidade e este à vontade de pressionar as mães para serem aquilo que os outros acham que devemos ser. Se não soubermos criar limites, todas essas opiniões só nos vão causar sofrimento, só nos vão desorientar e muitas vezes vão-nos fazer sentir que estamos constantemente a errar. Ninguém tem esse direito. Claro que há muita coisa que não sabemos e que devemos ouvir, ouvi a minha mãe e a minha sogra quando me ensinaram a dar o banho sem medo, ouvi os seus conselhos e ainda hoje sigo e aprendo muita coisa que me é ensinada, mas prezo muito a minha privacidade e a minha liberdade no que toca a educar e a criar os meus filhos.

Outra coisa que me assustou foi a sensação de que não podemos dizer a coisa errada nem fazer a pergunta errada. Parece que está toda a gente à espera que façamos uma pergunta estúpida ou que digamos alguma coisa estúpida para nos cairem em cima. As pessoas são muito duras a julgar os outros, principalmente a julgar as mães. Estamos todas à procura da melhor forma de fazer as coisas e muitas vezes o que para nós é obvio para outra pessoa pode não ser e nessa altura, quando essa pessoa nos procura ou nos coloca questões,devemos procurar auxiliar antes de criticar. A verdade é que existem pessoas que pouco ou nenhum apoio têm em casa e que vão procurar respostas para as coisas mais elementares, porque não têm orientação ou porque os exemplos que têm não são os melhores. Ter medo, ter dúvidas é tão natural como respirar e eu acredito que se olharmos umas para as outras como parte da mesma equipa e não como alvos a abater podemos disfrutar, e muitas vezes encontrar paz, na maravilha que é a entreajuda.

10 meses passados aqui estou eu, continuo à procura do meu lugar de paz entre as pessoas que dizem que só dão fruta do pomar do jardim do Éden ultrabiológica aos filhos e as que dizem que as crianças têm é de ser felizes e que não faz mal nenhum dar um chocolatinho. Criei o meu forte, o meu ninho, onde entram as vozes que eu procuro e onde fazemos as coisas com conta peso e medida e encontramos o equilibrio para criar crianças saudaveis, fortes e felizes.



Por isso,por favor, usufruam do vosso direito de dizerem : “SHIU” (Ainda que seja só dentro da vossa cabeça)e de viverem ao vosso ritmo, com os vossos filhos,ainda que a vossa vizinha ache que têm um casaco a mais ou a menos ou que são mimados ou que não têm amor. Os outros são os outros, por isso tratemos dos nossos."

20/05/2017

O teu primeiro mês...

Hoje escrevo para ti filha...

Completaste o teu primeiro mês no dia 15 de Maio... somos tão felizes contigo!
Já ris...ris muito...
Já conheces bem a minha cara(e voz)...e do pai também.
Desde o primeiro dia que dizemos que engoliste um patinho de borracha, porque quando estás quase a chorar, "buzinas" como um...
Gostas muito de dar ás pernas, principalmente quando tens cólicas...

Quando tens fome, levas as mãos á boca num gesto que parece que estás a rezar...
Abres muitooo as narinas quando queres "falar"...
Tens um remoinho mesmo a meio do cabelo, o que faz com que pareças o Paulo Bento(és linda filha!!!)

Começaste por ter cabelo escuro, mas agora está a ficar clarinho, como o meu...Ah!!! És a minha cara... Tens os olhos de peixe, a boca, o nariz e as orelhas! Ah... e és tão branquinha quanto a mãe...
Com 1 mês cresceste... já tens 52cm... e já pesas 4.320kg.
Já levaste a tua primeira vacina e fizeste o teste do pezinho...nos dois portaste-te tão bem!!!
O teu umbigo caiu e tiveste que fazer um pouquinho de nitrato de prata... Aqui, apesar de não doer nada, choraste como se te tivessem a matar(o teu choro é SEMPRE como se te tivessem a matar)...
Bebes 120ml de leite de 4/4h á noite e de 3/3h durante o dia...
ADORAS banho... e ficar nua...(daqui a nada é assim que vais andar sempre porque a roupa deixa de te servir em pouco tempo... Já vestes roupa para 2/3 meses!!)
Já começaste a palrar e é uma delicia ouvir-te...
Tens o sorriso mais bonito do mundo!!!

Tens uma marquinha de nascença no tornozelo esquerdo, uma manchinha vermelha no olho direito e no meio das sobrancelhas...tens ainda uma manchinha na nuca...igual a da tua bisavó paterna. A genética é espectacular...


Estás a crescer tão rápido que só apetece parar o tempo...
Tem calma filha...

Os papás AMAM-TE muito...TANTO!!!

19/05/2017

Lea....Sem "H"

Desde que soubemos que era uma menina, que ficou logo decidido que seria Leah...
Sempre que falávamos em filhos, era esse nome que surgia...então foi bem fácil a decisão!

Nunca foi posto em causa não ser aceite, porque o pai tem nacionalidade alemã...e o nome é alemão...
Chegou o dia da alta, e consequentemente o registo da miúda. Assim que dissemos o nome, a sra disse logo que não daria...que quanto muito teria que ser sem o H ...
O Hans(nome tipicamente português!!!!!!) mostra o passaporte e a sra diz que está caducado...por isso não pode aceitar(WTF?!?!?!) e ainda diz: "não querem escolher outro nome?!"(a sério?! vou escolher um nome em 5mn, aqui á sua frente?!?)
Ainda tentamos argumentar, mas eu estava á mais de 48h sem dormir, a miúda pela primeira vez num ovinho e quase a comer de novo...
A sra. ainda diz que nos podemos dirigir á embaixada e pedir não sei o quê...mas achei desnecessário!
Lea(sem o H) é o típico alemão, e curiosamente só a meio da gravidez é que eu e o Hans nos apercebemos que estávamos com ideias diferentes do nome: Ele queria sem H, porque era o mais tradicional alemão...e eu queria com H porque achava mais bonito na escrita... Então a vontade do pai acabou por prevalecer... =) Destino?!
Bom com isto, temos uma séria de fraldinhas com o nome dela, chucha, uma toalha de banho...e um porta documentos...com o H... Ela mais tarde vai perguntar porquê...e vai ser uma história engraçada de contar! =)

Mas agora convenhamos.... Lyonce Viiktórya e Lyannii Viiktórya...como?!?! Digam...como?!?!?
Eu só queria um H num nome que já existe...
Enfim!!!


De coração cheio***

18/05/2017

Relato do parto

Pois bem...consegui, ao fim de um mês, arranjar um tempinho para vir aqui fazer o relato do parto!
(daquilo que me lembro... graças as hormonas e ao excesso de adrenalina tende-se a esquecer grande parte das coisas...graças a Deus senão nem pensava noutro filho, ahaha)



Dia 11 de Abril, 3ªf, tive consulta com a médica...já com 40 semanas.
Estava tudo bem comigo e com a menina, e foi-me feito mais um toque doloroso...Como já iria completar as 41 semanas na semana seguinte, a médica decidiu marcar a indução para 3ªf dia 18. Confesso que na altura fiquei aliviada por, pelo menos, ter uma data...sou do signo virgem, não gosto de imprevistos...nem mesmo um parto!

Tinha sempre algum receio de ir na rua e pinfas... rebentarem as águas...sei lá pancada minha!
Como disse, fiquei aliviada...mas iria fazer tudo(caminhar, bola de pilates, escadas, namorar, comidas picantes, etc...) para evitar isso.
A médica, foi uma querida e disse que se eu quisesse, podia voltar lá na 5ª feira para ela me fazer um novo toque maldoso e ver se a coisa avançava...
Agradeci, mas meti na cabeça que não iria chegar a quinta feira...
Caminhei no paredão...caminhei muito... e tinha contracções mas nada de mais!

Chegou 5ªf e como ainda não tinha sinais de parto, tive mesmo que ir á Dra. e ela voltou a fazer a "maldade"... Fui novamente caminhar...muito!
Na madrugada de 6ªf, acordei com umas pontadas esquisitas na barriga...O Hans acordou e perguntou se estava tudo bem...e disse-lhe de imediato que não!
Não sabia explicar o que era, mas era diferente...
Decidimos ficar na sala, onde eu teria mais liberdade de movimentos e a bola de pilates...

As contracções vinham mas não era com intervalos certos...
A meio da manhã decidi ligar para a minha mãe vir cá para casa, uma vez que ela também iria acompanhar o parto. Não sei precisar a que horas aqui chegaram(ela e o meu pai)... mas sei que não tardou!
Continuei a tarde toda na bola de pilates, subi e desci as escadas do prédio(moro num 5º andar) e agachei...agachei muitooo....
Perto da hora do jantar decidimos que estava na hora de ir para o hospital, porque embora as contracções não tivessem com intervalos ritmados, já tinha estado assim o dia todo...
Chegamos ao hospital e fui examinada: 2/3 dedos de dilatação e contracções"fraquinhas"...fui mandada para casa, mas disseram que a probabilidade de voltar nessa noite era grande.
Confesso que fiquei frustrada por ter que voltar para casa...mas até então não tinha a mínima noção que, de facto, estava longeeee do real trabalho de parto, ahaha
Voltamos para casa e a minha mãe foi para casa também. As contracções continuavam, mas nada de extraordinário...até que a meio da noite(não sei precisar as horas...) as dores começam a ficar intensas...
E com o passar das horas, mais e mais intensas....
A dor era lancinante!!!

Tinha visto vários videos de partos e lido muito sobre o assunto...e sempre achei que controlando bem a respiração, conseguiria passar por tudo muito tranquilamente...AH    AH    AH!!!
Foram as piores dores que senti na minha vida, e naquela altura percebi bem as a descrição da minha mãe sobre o parto dela...disse-me uma vez: "naquela altura se tivesse uma faca por perto, tinha cortado os pulsos"...Achei exagerado...mas naquela altura, em que vem a dor e não sabemos como podemos "fugir" dela...de facto, torna-se apelativo acabar com tudo de vez!!!
Os minutos foram passando e as dores só aumentavam...de tal forma que só me apetecia morder a parede...não é exagero!!!
Chegou a um momento em que desatei a chorar... a cada contracção mais forte, chorava... só pensava: " e se fica pior que isto?!?"
Perto das 5/6 da manhã. ligamos á minha mãe para ela vir para cá...
Quando chegou, sugeriu logo irmos para o hospital...
Eu tinha medo de ir e mandarem-me novamente para casa... não sei se valeria o esforço de me mexer até lá...mas fomos!
Eram 6:30/7:00h quando dei entrada e fui examinada novamente...diz a médica:
"4/5 dedos de dilatação...não é suficiente para a admitir...vou ter que a mandar dar umas voltinhas ao hospital...mas primeiro vamos fazer um CTG"
E Dou graças a Deus a minha miúda estar meio a dormir nesse CTG, porque tive que beber um chá com açucar e comer umas bolachas e ainda um rebuçado... e nisto passou 1h... houve a troca de turnos e a médica seguinte, admitiu-me logo!
Só queria algo para as dores... DROGAS!!!
Cerca de 1h depois já estava no quarto, com o Hans e a minha mãe ao pé de mim, como sempre sonhei...
Deram-me um "cheirinho" para as dores até que viesse a médica para dar a epidural, e desde aí que foi tudo tranquilo... ainda com dores mas nada tão forte!
Veio a médica e fez a epidural, perto das 10h e então aí entrei no céu e paria já cinco filhos!!!
Um VIVA a quem inventou a epidural... Nem consigo imaginar parir sem estar drogada!
Pronto, daí até as 21:34h foi um "saltinho"...

A princesa Lea, veio ao mundo de uma forma muito tranquila...rodeada dos papás e da avó...e de uma equipa médica absolutamente ESPETACULAR!
A Dra. Catarina, que me fez o parto, fora de exageros, conseguiu transmitir-me uma calma e uma paz que tornou o processo muito fácil.
Estarei eternamente grata a toda a equipa não só no bloco de partos, naquele dia...como no internamento em que fui muito bem recebida!

Hoje temos uma menina linda, saudável e tranquila...
Um anjinho...
Estamos a transbordar de felicidade!!! =)

Convém salientar que, como disse no post anterior, a princesa veio ao mundo no dia dos anos da minha mãe... agora digam lá, não foi o melhor presente de sempre?! ahahaha

De coração MUITO cheio***


[Sim, a princesa acabou por ficar Lea sem o "H"...porque o pai tinha o passaporte caducado...mas isso é assunto para outro post]

17/05/2017

Dia 17

Dia 17 de Maio de 2001...

Dia em que, por uma grande dose de sorte, o meu amor me pediu em namoro.
Digo sorte, porque é assim que me sinto...uma sortuda!

Sou uma sortuda por tê-lo na minha vida...
São 16 anos de uma partilha maravilhosa, e anseio sempre pelo que vem.
Este ano adicionamos um elemento ao nosso amor...a nossa filhota!
Hoje somos mais ricos...

Hoje somos(ainda mais)felizes...
Hoje celebro-nos(aos 3)...

Obrigada por estes 16...
Anseio pelos próximos...


AMO-TE e sou tua...hoje e sempre***

01/05/2017

Do dia 15 de Abril

Já tinha um significado importante... O aniversário da minha mãe! 
Mas este ano ganhou um importância maior... 
Nasceu o meu amor pequenino... 
A Lea nasceu no dia 15 às 21:34h, a pesar uns maravilhosos 3.680kg kg e com 50cm... 
E neste momento pouco mais consigo dizer!
Estamos felizes! Muito!! 


De coração cheio(muito, tanto!) ***